Brasil ExperimentalBrasil Experimental
arte/vida: proposições e paradoxos

Guy Brett
Katia Maciel [org.]
288 p. | il. color. | 17 x 21 cm | 1ª edição | 2014 | 85-86011-94-0


R$105,00


GUY BRETT escreve sobre arte desde a década de 1960. Seus artigos, ensaios e livros têm revelado, no contexto da crítica internacional, uma posição singular voltada para a produção mais experimental, à revelia de todos os formalismos, e caracterizada por um repertório de conceitos que se baseiam na convivência com os artistas e suas obras. 
Durante as décadas de 1960 e 1970, teve seus textos publicados nos jornais londrinos The Guardian (1963-4) e The Times (1964-75). Nos anos 1980, tornou-se o editor de arte da publicação City Limits. Escreveu também para as revistas Art in AmericaArtforum, Art&text, Third Text, Studio International, Signals, Macula, Block, Artscribe, Art Monthly, Black Phoenix, Revista de Crítica Cultural, Les Cahiers du MNAM, Cahiers Witte de With, Performance Magazine, Trans e Archis and Parkett.
A profícua interlocução que estabeleceu com a arte no Brasil nessas mais de quatro décadas tem favorecido bastante a difusão mundial da produção dos artistas brasileiros. 
Brasil Experimental reúne 21 de seus textos sobre 15 desses artistas.
Mais que reflexões ou documentos sobre as obras de Hélio Oiticica, Lygia ClarkLygia Pape, Sérgio CamargoMira Schendel, Cildo MeirelesAntonio Manuel, TungaWaltercio Caldas, Regina Vater, Roberto Evangelista, Maria Theresa Alves, Jac Leirner, Ricardo Basbaum e Sonia Lins, trata-se aqui sobretudo de descrições nascidas de uma delicada e respeitosa reciprocidade entre estes e o autor.


Leia o Prefácio de Kátia Maciel