Métrica da cor | Metric of colorDesarrazoadas: devastação e êxtase
Elisabeth da Rocha Miranda
Apresentação de Antonio Quinet

224 p. | 2017 | 16 x 23 cm | 1ª edição | 978-85-7740-234-2

R$65,00

Este livro, cuja tessitura busca alicerçar teoricamente manifestações clínicas em torno do gozo feminino, acompanhadas a princípio de uma incompreensão desprovida de fala dos sujeitos que o vivenciam, não apenas percorre detidamente as obras de Sigmund Freud e Jacques Lacan, como também se vale do que a literatura, a arte, a lógica e os relatos místicos podem ensinar ao psicanalista.
   Dos que chegam à análise sem entender o que acontece com seu corpo em situações nomeadas como desvarios, desmedidas ou desarrazoamentos à abordagem da correspondência de Madame de Sévigné, da história de vida de Camille Claudel, da literatura de Katherine Mansfield e Léon Bloy, e dos escritos de Santa Teresa d’Ávila e Hadewijch d’Anvers, Elisabeth da Rocha Miranda estabelece, à luz sobretudo das fórmulas da sexuação propostas por Lacan em seu vigésimo Seminário, uma original e inquietante contribuição à clínica psicanalítica do que escapa à universalidade do registro fálico, tal como elaborado por Freud.
    Encontra-se aqui, portanto, em sua incontornável persistência, o desejo de fazer avançar o tratamento que a psicanálise pode oferecer a algo sobre o qual, por não ser consumido pelo significante, nada se pode dizer. Ao encorpá-lo na escrita, sua autora, sem se deixar abalar pelo que ao Outro falta, deixa ver que só se pode de fato apalavrar sob o consentimento de que às palavras sempre haverá o que faltar. 
 


Sobre a autora:

Elisabeth da Rocha Miranda

Psicanalista. Analista Membro de Escola (ame) da Escola de Psicanálise dos Fóruns do Campo Lacaniano – Fórum Rio de Janeiro. Mestre e Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Em sua trajetória profissional, desenvolveu importante trabalho clínico, sobretudo em relação à debilidade mental, em diversas instituições de saúde e educação no Rio de Janeiro, entre as quais o Instituto Helena Antipoff, a Secretaria Municipal de Saúde, o Hospital Municipal Jesus e o Hospital Lourenço Jorge.