Letras do sintomaA lenda negra de Jacques Lacan. Elisabeth Roudinesco e o seu método histórico

Nathalie Jaudel
Tradução: Teresinha Natal Meirelles do Prado

272 p. | 2016 | 16 x 23 cm | 1ª edição | 978-85-7740-199-4

R$ 65,00


Este é um livro polêmico, uma operação para ajustar os ponteiros. Mais de três décadas após a morte de Jacques Lacan, a “lenda negra” continua a circular pela cultura: Lacan tirano, Lacan sem escrúpulos, Lacan ávido, Lacan tantã.
A única biografia existente sobre o maior psicanalista francês se construiu sob o pretexto da objetividade, mas continua a fazer ressoar essa lenda. Nela, sua autora Élisabeth Roudinesco, ao desconsiderar que não se deve ser o historiador da história em que se está incluído, negligencia o que Lacan dizia de si próprio e da prática a que dedicou grande parte de sua vida, deixa-se levar por sua transferência negativa em relação ao homem que conheceu primeiro socialmente e passa ao largo dos efeitos de sua clínica e de seu ensino.
Nathalie Jaudel, sem propor uma “contrabiografia” e, sobretudo, sem se valer de entrevistas e depoimentos para traçar o seu retrato de Lacan, atém-se a textos escritos, aos quais o sujeito de que trata sempre deu extrema importância. Nessa via, não apenas retoma a ideia freudiana de que todo biógrafo, na intenção de aproximar dos leitores o seu herói, tende a rebaixá-lo, como também mostra que conhecer a vida de um autor pode, muitas vezes, dificultar ou mesmo impedir uma apreensão consequente de sua obra. Sua bússola, assim, a um só tempo “amigável e desenvolta”, como observado por Roland Barthes a respeito da tarefa biográfica, mapeia quer a absoluta singularidade de Jacques Lacan, quer a força, o impacto e a originalidade dos avanços que este imprimiu à invenção de Sigmund Freud.

Sobre a autora:
Nathalie Jaudel é psicanalista. Membro da École de la Cause freudienne (ECF) e da Associação Mundial de Psicanálise (AMP). Formada em Direito e diplomada pela SciencesPo Paris.