Semiologia Psicanalítica das “Paixões Tóxicas”. Volume IISemiologia Psicanalítica das “Paixões Tóxicas”. Volume II
Das paixões, das toxicomanias e das adicções às “paixões tóxicas”:
na filosofia, na medicina e na psicanálise


Victor Eduardo Silva Bento

256 p. | 2015 | 15,5 x 23 cm | 1ª edição | 978-85-7740-189-5

R$ 34,00


A coleção de Victor Bento, “Semiologia psicanalítica das ‘paixões tóxicas’”, constitui uma contribuição fundamental como teorização e pesquisa em psicanálise para ampliar o conhecimento sobre o fenômeno das toxicomanias. A coleção inclui nos seus capítulos iniciais (volume I) a discussão da metodologia de investigação utilizada, compreendida como o estudo do caminho percorrido na pesquisa apresentada nos capítulos dos volumes II e III. Este caminho envolve a revisão da literatura e os estudos de casos como métodos indispensáveis da pesquisa científica.


Sobre o autor:

Victor Eduardo Silva Bento é psicólogo (UFRJ, 1979); especialista em terapia familiar (IPUB/UFRJ, 1983); Mestre em Psicologia (FGV/ISOP/RJ, 1983); e Doutor em Psicopatologia Fundamental e Psicanálise (Universidade Paris 7, 1996). Foi professor do Departamento de Psicologia da UFPR (02/1984-05/2005); fundador e diretor do CET – Centro de Estudos das Toxicomanias Dr. Claude Olievenstein – da UFPR (10/1999-05/2005). A partir de 09/2005, fixou-se no Departamento de Psicometria do Instituto de Psicologia da UFRJ, onde permaneceu até aposentar-se, em 07/2015, como Professor Associado IV, tendo ali trabalhado com o ensino e a prática da pesquisa clínico-qualitativa de histórias de paixões e de amores, retiradas do cinema, da televisão e da literatura, analisadas na ótica teórica da linha de pesquisa “Semiologia Psicanalítica das ‘Paixões Tóxicas’” em debate interdisciplinar com a psicologia, a filosofia, a medicina, a linguística, a literatura, as ciências sociais etc. É líder do Grupo de Pesquisa Lattes cadastrado no CNPq com o nome: “Centro de Estudos das Toxicomanias Dr. Claude Olievenstein”. É membro da ABRAMD – Associação Brasileira Multidisciplinar de Estudos sobre Drogas –; e da Rede de Pesquisa sobre Drogas da Senad – Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas – do Ministério da Justiça. Possui 39 artigos completos, quase todos sobre a temática da “psicanálise das dependências tóxicas”, muitos disponíveis on line, publicados em periódicos, a grande maioria destes, especializados na área de psicologia, classificados pela CAPES como Qualis A ou B, e indexados no Scielo. É também autor do livro “Os componentes psicopatológicos das toxicomanias” e de dois capítulos de livro sobre a mesma problemática do sujeito intoxicado. Finalmente, é também autor dos volumes I, II e III da coleção “SEMIOLOGIA PSICANALÍTICA DAS ‘PAIXÕES TÓXICAS’”, os três volumes publicados pela Editora Contra Capa com bolsa, para financiamento das publicações, da Faperj – Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro – , sendo a coleção composta de 17 capítulos no conjunto dos três primeiros volumes, onde o Prof. Bento é o único autor de 16 destes 17 capítulos e coautor em apenas um único capítulo: o sexto do volume i, escrito pelo Prof. Bento em parceria com o Prof. Roberto Mendes Guimarães. Nesta coleção, o primeiro volume intitulou-se: “Métodos de pesquisa qualitativa das ‘paixões tóxicas’: fundamentos da filosofia, da linguística e da psicanálise”; o segundo volume denominou-se: “Das paixões, das toxicomanias e das adicções às ‘paixões tóxicas’: na filosofia, na medicina e na psicanálise”; e o terceiro volume foi batizado com o nome: “Do narcisismo às ‘paixões tóxicas’: a partir e depois de Freud na psicanálise”.




SUMÁRIO


Prefácio dos volumes I, II e III da coleção

Apresentação dos volumes I, II e III da coleção

Introdução dos volumes I, II e III da coleção


PARTE I. INTRODUÇÃO A UMA SEMIOLOGIA PSICANALÍTICA DAS PAIXÕES ORIGINÁRIAS


CAPÍTULO 1. PARA UMA SEMIOLOGIA PSICANALÍTICA DAS PAIXÕES NA ANTIGUIDADE GREGA E SEUS SENTIDOS ADICTIVO E TÓXICO


1. Introdução

2. Os sentidos e a origem etimológica da paixão em Aristóteles

3. Os sentidos da paixão em Platão

4. O sentido “paradoxal” das paixões em Platão persistiria a partir da Renascença, especialmente em Descartes e em Freud?

5. Seria o phármakon platônico a origem semiológica dos sentidos “tóxico” e “paradoxal” das paixões em geral?

6. Considerações finais à guisa de resumo

Referências


CAPÍTULO 2. PARA UMA SEMIOLOGIA PSICANALÍTICA DA PAIXÃO NO CRISTIANISMO E SEUS SENTIDOS ADICTIVO E TÓXICO


1. Introdução

2. O sentido da “paixão-sofrimento” de Jesus Cristo

3. A paixão amorosa de Adão e Eva segundo a Bíblia de Jerusalém

4. A interpretação da paixão amorosa de Adão e Eva a partir do ponto de vista de Deus trazido por Santo Agostinho:
Uma repetição do paradoxo platônico das paixões e uma semelhança com a adicção latino-romana?

5. A interpretação da paixão amorosa de Adão e Eva a partir do ponto de vista humano
por eles trazido: Um retorno inconsciente ao mito dos heróis na Antiguidade Grega?

6. Uma interpretação da “paixão amorosa tóxica” de Adão e Eva

7. Uma interpretação do fantasma ordálico na “paixão amorosa tóxica” de Adão e Eva

8. Considerações finais à guisa de resumo

Referências


PARTE II. INTRODUÇÃO A UMA SEMIOLOGIA PSICANALÍTICA DAS TOXICOMANIAS E DAS ADICÇÕES


CAPÍTULO 3. INTRODUÇÃO A UMA SEMIOLOGIA PSICANALÍTICA DAS TOXICOMANIAS NA LITERATURA MÉDICA FRANCESA

1. Introdução

2. A história dos sentidos das “toxicomanias” na literatura médica francesa

3. Considerações finais à guisa de resumo

Referências


CAPÍTULO 4. PARA UMA SEMIOLOGIA PSICANALÍTICA DAS TOXICOMANIAS E
DAS ADICÇÕES NO FREUD PRÉ-PSICANALÍTICO E AS “PAIXÕES TÓXICAS” A PARTIR DESTE FREUD


1. Introdução

2. Tratamento psíquico (ou mental): Da toxicomania sem droga e da adicção à
hipnose em Freud (1905/1972d; 1890/1991a) à noção de “paixão amorosa tóxica"

3. Carta a Fliess de 11 de janeiro de 1897: Da dipsomania e da paixão
pelo jogo em Freud (1950/1977b; 1950/1991c) à base adictiva da sexualidade humana e à noção de “paixão tóxica”

4. Carta a Fliess de 22 de dezembro de 1897: Da masturbação
como protótipo das toxicomanias em Freud (1950/1977c; 1950/1991d) ao “narcisismo autoerótico” como
função comum na base das “paixões tóxicas” e das sexualidades adictivas

5. A sexualidade na etiologia das neuroses: Da toxicomania e da masturbação
como defesa contra a depressão em Freud (1898/1976a; 1898/1989a)
à psicopatologia psicanalítica das adicções e das “paixões tóxicas” em geral associada à melancolia

6. Considerações finais à guisa de resumo

Referências


CAPÍTULO 5. PARA UMA SEMIOLOGIA PSICANALÍTICA DAS TOXICOMANIAS E DAS ADICÇÕES
NO FREUD DO PERÍODO PSICANALÍTICO E AS “PAIXÕES TÓXICAS” A PARTIR DESTE FREUD


1. Introdução

2. Antecedentes da pesquisa relatada neste capítulo na experiência do autor:
Sobre as conclusões e os questionamentos principais do estudo de Bento (2007c)
retomado no capítulo 4 do volume II desta coleção

3. Os chistes e sua relação com o inconsciente (Freud, 1905/1977a; 1905/1988): Estaria o “componente melancólico das toxicomanias,
das adicções e das paixões tóxicas” associado à perda do ego da elaboração consciente da perda no nonsense do chiste?

4. Sobre a tendência universal à depreciação na esfera do amor (Contribuições à psicologia do amor II)
(Freud, 1912/1970b; 1912/1989b): Estaria o “componente melancólico das toxicomanias, das adicções e das paixões tóxicas”
associado à perda do ego da elaboração consciente da perda do objeto fantasmático do desejo de amor?

5. Luto e melancolia (Freud, 1917/1974c; 1917/1994): Estaria o “componente melancólico das toxicomanias, das adicções e
das paixões tóxicas” associado a uma perda essencialmente narcísica ligada, especialmente, ao “narcisismo autoerótico”, primário e anobjetal?

6. Considerações finais à guisa de resumo

Referências


CAPÍTULO 6. TÓXICO E ADICÇÃO COMPARADOS A PAIXÃO E
TOXICOMANIA: ETIMOLOGIA E PSICANÁLISE


1. Introdução

2. Da etimologia de “tóxico” à etimologia da “paixão” e da “toxicomania”:
Uma interpretação psicanalítica das relações semânticas entre os termos

3. Da etimologia de “adicção” à etimologia da “paixão” e da “toxicomania”:
Uma interpretação psicanalítica das relações semânticas entre os termos

4. Considerações finais à guisa de resumo

Referências

Sobre os volumes I, II, & III da coleção

Sobre os capítulos do volume II

Sobre o autor