Semiologia Psicanalítica das “Paixões Tóxicas”. Volume ISemiologia Psicanalítica das “Paixões Tóxicas”. Volume I
Métodos de pesquisa qualitativa das “paixões tóxicas”:
fundamentos da filosofia, da linguística e da psicanálise


Victor Eduardo Silva Bento

200 p. | 2015 | 15,5 x 23 cm | 1ª edição | 978-85-7740-188-8

R$ 24,00


A coleção de Victor Bento, “Semiologia psicanalítica das ‘paixões tóxicas’”, constitui uma contribuição fundamental como teorização e pesquisa em psicanálise para ampliar o conhecimento sobre o fenômeno das toxicomanias. A coleção inclui nos seus capítulos iniciais (volume I) a discussão da metodologia de investigação utilizada, compreendida como o estudo do caminho percorrido na pesquisa apresentada nos capítulos dos volumes II e III. Este caminho envolve a revisão da literatura e os estudos de casos como métodos indispensáveis da pesquisa científica.


Sobre o autor:

Victor Eduardo Silva Bento é psicólogo (UFRJ, 1979); especialista em terapia familiar (IPUB/UFRJ, 1983); Mestre em Psicologia (FGV/ISOP/RJ, 1983); e Doutor em Psicopatologia Fundamental e Psicanálise (Universidade Paris 7, 1996). Foi professor do Departamento de Psicologia da UFPR (02/1984-05/2005); fundador e diretor do CET – Centro de Estudos das Toxicomanias Dr. Claude Olievenstein – da UFPR (10/1999-05/2005). A partir de 09/2005, fixou-se no Departamento de Psicometria do Instituto de Psicologia da UFRJ, onde permaneceu até aposentar-se, em 07/2015, como Professor Associado IV, tendo ali trabalhado com o ensino e a prática da pesquisa clínico-qualitativa de histórias de paixões e de amores, retiradas do cinema, da televisão e da literatura, analisadas na ótica teórica da linha de pesquisa “Semiologia Psicanalítica das ‘Paixões Tóxicas’” em debate interdisciplinar com a psicologia, a filosofia, a medicina, a linguística, a literatura, as ciências sociais etc. É líder do Grupo de Pesquisa Lattes cadastrado no CNPq com o nome: “Centro de Estudos das Toxicomanias Dr. Claude Olievenstein”. É membro da ABRAMD – Associação Brasileira Multidisciplinar de Estudos sobre Drogas –; e da Rede de Pesquisa sobre Drogas da Senad – Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas – do Ministério da Justiça. Possui 39 artigos completos, quase todos sobre a temática da “psicanálise das dependências tóxicas”, muitos disponíveis on line, publicados em periódicos, a grande maioria destes, especializados na área de psicologia, classificados pela CAPES como Qualis A ou B, e indexados no Scielo. É também autor do livro “Os componentes psicopatológicos das toxicomanias” e de dois capítulos de livro sobre a mesma problemática do sujeito intoxicado. Finalmente, é também autor dos volumes I, II e III da coleção “SEMIOLOGIA PSICANALÍTICA DAS ‘PAIXÕES TÓXICAS’”, os três volumes publicados pela Editora Contra Capa com bolsa, para financiamento das publicações, da Faperj – Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro – , sendo a coleção composta de 17 capítulos no conjunto dos três primeiros volumes, onde o Prof. Bento é o único autor de 16 destes 17 capítulos e coautor em apenas um único capítulo: o sexto do volume i, escrito pelo Prof. Bento em parceria com o Prof. Roberto Mendes Guimarães. Nesta coleção, o primeiro volume intitulou-se: “Métodos de pesquisa qualitativa das ‘paixões tóxicas’: fundamentos da filosofia, da linguística e da psicanálise”; o segundo volume denominou-se: “Das paixões, das toxicomanias e das adicções às ‘paixões tóxicas’: na filosofia, na medicina e na psicanálise”; e o terceiro volume foi batizado com o nome: “Do narcisismo às ‘paixões tóxicas’: a partir e depois de Freud na psicanálise”.




SUMÁRIO


Prefácio dos volumes I, II e III da coleção

Apresentação dos volumes I, II e III da coleção

Introdução dos volumes I, II e III da coleção


PARTE I. INTRODUÇÃO À HIPÓTESE DAS “PAIXÕES TÓXICAS"


CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO ÀS JUSTIFICATIVAS CLÍNICAS E TEÓRICAS DA HIPÓTESE DAS “PAIXÕES TÓXICAS”


1. Introdução

2. 1º Tempo (01/1978-02/1984): Da experiência clínica do autor e de seus fundamentos
teóricos às justificativas clínicas e teóricas da hipótese das “paixões tóxicas”

3. 2º Tempo (02/1984-06/1991): Da experiência clínica do autor e de seus fundamentos
teóricos às justificativas clínicas e teóricas da hipótese das “paixões tóxicas”

4. 3º Tempo (a partir de 07/1991): Da experiência clínica do autor e de seus fundamentos
teóricos às justificativas clínicas e teóricas da hipótese das “paixões tóxicas”

5. Considerações finais à guisa de resumo

Referências


PARTE II. INTRODUÇÃO AOS FUNDAMENTOS TEÓRICOS DO MÉTODO DE PESQUISA SEMIOLÓGICA DAS “PAIXÕES TÓXICAS”


CAPÍTULO 2. INTRODUÇÃO AO MÉTODO DE PESQUISA DAS “PAIXÕES TÓXICAS”:
DO RACIOCÍNIO POR ANALOGIA À SEMIOLOGIA PSICANALÍTICA


1. Introdução

2. Alguns fundamentos teóricos do método de pesquisa do raciocínio por analogia

3. Alguns fundamentos teóricos do método de pesquisa semiológica

4. O método de pesquisa da hipótese das “paixões tóxicas”: Do raciocínio por analogia à semiologia psicanalítica

5. Considerações finais à guisa de resumo

Referências


CAPÍTULO 3. SERIA A SEMIOLOGIA DE SAUSSURE FUNDAMENTO E JUSTIFICATIVA
PARA O MÉTODO DE PESQUISA DE REVISÃO DE LITERATURA EM PSICANÁLISE?


1. Introdução

2. Saussure e sua proposição de “semiologia como psicologia social, de corte do signo e de linguística estrutural”

3. A diferença entre “semiologia” e “linguística” em Saussure: Uma questão de distinção entre “linguagem”, “língua” e “fala”?

4. Lévi-Strauss: Sua “antropologia estrutural” e sua abordagem dos mitos
como linguagem do domínio da língua, da fala e de um sistema universal de signos

5. A “semântica” em Saussure

6. A “etimologia” em Saussure

7. Considerações finais à guisa de resumo

Referências


CAPÍTULO 4. TOTEM E TABU: UMA SEMIOLOGIA PSICANALÍTICA EM FREUD?


1. Introdução

2. Totem e tabu: Uma “semiologia psicanalítica” em Freud (1913/1974)?

3. Considerações finais à guisa de resumo

Referências


CAPÍTULO 5. EXISTIRIA UMA SEMIOLOGIA PSICANALÍTICA EM LACAN?


1. Introdução

2. Sobre a noção de “semiologia psicanalítica” antes de Lacan

3. Sobre a noção de “semiologia psicanalítica” em Lacan: A hipótese lacaniana do
“inconsciente estruturado como linguagem” seguiria a lógica de uma “semiologia freudiana do sonho” em Lacan?

3.1. As influências teóricas na origem do pensamento lacaniano

3.2. Teria Saussure exercido alguma influência no raciocínio semiológico de Lacan?

3.3. Existe um raciocínio semiológico em Lacan? Caso sim, teria Freud exercido alguma influência nesse raciocínio?

4. Considerações finais à guisa de resumo

Referências


PARTE III. INTRODUÇÃO AOS FUNDAMENTOS TEÓRICOS DO MÉTODO DE PESQUISA DE ESTUDO DE CASO DAS “PAIXÕES TÓXICAS”


CAPÍTULO 6. O MÉTODO DE PESQUISA DE ESTUDO DE CASO DAS PAIXÕES EM PSICANÁLISE:
DO “PATHO-PAIXÃO-SOFRIMENTO PELO SINTOMA” AO “PATHOS-PAIXÃO-SOFRIMENTO PELA TRANSFERÊNCIA”
Em coautoria com Roberto Mendes Guimarães


1. Introdução

2. O que é “estudo de caso” em psicanálise?

3. Qual é o objeto da teorização psicanalítica no estudo de caso?

4. Como fazer um estudo de caso, escrevendo a clínica, em psicanálise?

4.1. 1º Momento: A escrita do “patho-paixão-sofrimento pelo sintoma” e o relato descritivo da história da doença

4.2. 2º Momento: A escrita do “pathos-paixão-sofrimento pela transferência” e
o relato descritivo da história da “paixão-transferência” do paciente no tratamento analítico

4.3. 3o Momento: Discussão Clínica

5. Considerações finais à guisa de resumo

Referências

Sobre os volumes I, II, & III da coleção

Sobre os capítulos do volume I

Sobre o autor