A paisagem no cinema de Wim WendersUnião Europeia e América Latina.
Associação estratégica ou oposição hierárquica? Uma análise do discurso

Flavia Guerra Cavalcanti
352 p. | 2015 | 15,5 x 23 cm | 1ª edição | 978-85-7740-181-9 | 578 gramas

R$65,00


Desde 1999, Europa e América Latina/Caribe vêm tentando pôr em prática uma associação estratégica. O que essa associação signifi ca para as duas regiões? Ela difere de outras organizações estratégicas existentes hoje no mundo? Haveria nela algo de especial? Para responder a essas perguntas, que declinam o tema central deste livro, a autora se propõe a analisar o discurso das reuniões de cúpula realizadas entre a União Europeia e a América Latina/Caribe, à luz de uma perspectiva pós-estruturalista e pós-colonialista, de acordo com a qual mostra que as duas regiões, em vez de formas absolutas do ser, são um “efeito de diferenças”, ou seja, sempre se constituíram e ainda se constituem de forma recíproca.
A desconstrução realizada permite, além disso, mostrar como o discurso da associação estratégica acaba por negar os pressupostos que o sustentam. A crença de que a semelhança de valores entre as duas regiões criaria uma ordem internacional diferente daquela proposta pelos Estados Unidos se dilui quando se revelam discursos que continuam a representar o latino-americano como um “Outro” bárbaro da Europa, ainda que nem sempre se apresente com a mesma linguagem. Do século XVI ao XIX, o latino-americano foi representado como o canibal, o antropófago ou o selvagem. Hoje, ressurge na figura do migrante, principalmente daquele considerado ilegal.
O migrante latino-americano ilegal carrega, assim, a marca e a dimensão contestadora do bárbaro ou do não civilizado, mas sem corresponder a uma intencionalidade de contestação própria a um sujeito autônomo e centrado. Em vez disso, é a sua simples presença que interroga e critica as políticas migratórias restritivas atualmente em vigor na União Europeia.
Não por acaso, portanto, é na questão migratória que a cisão que insiste em se manifestar na associação estratégica entre União Europeia e América Latina/Caribe se torna mais evidente. A pretensão de que haveria história e valores comuns entre essas duas regiões, formando um espaço birregional, não se justifica a cada vez que a “Fortaleza Europa anti-imigrantes” não apenas trata o migrante latinoamericano como um “Outro” bárbaro, mas também reproduz o discurso colonialista de épocas supostamente ultrapassadas.

Flavia Guerra Cavalcanti é doutora em Relações Internacionais pelo Instituto de Relações Internacionais (IRI) da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Atualmente é Professora de Relações Internacionais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).



SUMÁRIO


INTRODUÇÃO ... 11

A ASSOCIAÇÃO ESTRATÉGICA ENTRE
UNIÃO EUROPEIA E AMÉRICA LATINA–CARIBE
... 19

Como as abordagens tradicionais tratam o conceito de associação estratégica ... 22
O diagnóstico tradicional ... 24
Os “outros” da Europa ... 30
A crise europeia e o fim do modelo ... 67

DESCONSTRUINDO E DESCOLONIZANDO ...73

O marco teórico pós-estruturalista e pós-fundacionalista ... 75
Uma concepção de história pós-fundacionalista e pós-colonialista ... 84
História eurocêntrica e pós-desenvolvimento ... 98
Différance, formação discursiva e genealogia ...101
Bakhtin: uma abordagem dialógica sobre a história ...114
É possível compatibilizar o pós-estruturalismo
com o pós-colonialismo? A différance e a “diferonça ...124

O POSICIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA E DA
AMÉRICA LATINA NO SÉCULO XXI: AS DECLARAÇÕES DE CÚPULA
... 139

A declaração como gênero de discurso ... 139
Polifonia e intertextualidade ... 148
Uma genealogia das oposições hierárquicas ... 156

AS MIGRAÇÕES NA ASSOCIAÇÃO ESTRATÉGICA ... 185

As migrações nas declarações de cúpula ... 187
O western bond e a migração latino-americana ... 194
O fluxo migratório entre Europa e América Latina e Caribe ... 199
A diretiva do retorno e a associação estratégica ... 205
Desconstruindo a oposição hierárquica
migrante legal/migrante ilegal latino-americano:
a hospitalidade incondicional ... 211
O migrante ilegal latino-americano e
o canibal: a dimensão contestadora ... 220

CONCLUSÃO ... 231

REFERÊNCIAS ... 237

ANEXOS ... 257