A paisagem no cinema de Wim WendersA paisagem no cinema de Wim Wenders
India Mara Martins
184 p. | 2015 | 15,5 x 23 cm | 1ª edição | 978-85-7740-176-5

R$ 38,00

Os filmes de estrada, ou road movies, como gênero cinematográfico, estão para o cinema mundial da mesma forma que a literatura de viagem geralmente é vista como um produto derivado da expansão do colonialismo europeu. Filmes de autores e nacionalidades os mais diferentes costumam ser emblemáticos de diferentes paisagens geográficas, estradas intermináveis, longos percursos e narrativas que geralmente dramatizam sociedades em movimento como ritos de passagem. Aqui, com empenho e atenção aos detalhes, a autora opera um verdadeiro tour de force na análise de parte da filmografia de Wim Wenders para revelar funções bastante pragmáticas de locações geográficas especialmente escolhidas para ambientarem narrativas centradas em deslocamentos e mobilidade, e apontar para alguns horizontes alegóricos inesperados em filmes importantes do diretor alemão. Esses filmes, de certa maneira, pela ambientação e cenografia, se afastam de modelos mais convencionais de transparência na comunicação e de sintonia com os códigos dominantes no mercado. Trata-se de um cinema ostensivamente pessoal e mais identificado com o dito cinema moderno de autor ao propor uma outra relação entre arte e entretenimento, colocando em xeque nossas expectativas em relação ao peculiar envolvimento do cinema com questões de gênero cinematográfico. Dialoga-se aqui com o filme de viagem, a trajetória de busca, o filme de estrada, o road movie, em que a viagem é, ao mesmo tempo, um percurso literal por estradas diversas e horizontes infinitos e, muitas vezes, uma viagem interior, introspectiva, subjetiva.

India Mara Martins é professora adjunta III do Departamento de Cinema e Vídeo da Universidade Federal Fluminense (UFF) nas áreas de Design Visual e Direção de Arte. No Programa de Pós-graduação em Comunicação da mesma universidade, desenvolve pesquisas sobre espaço cinematográfico e criação de atmosferas no audiovisual contemporâneo. Coordena o grupo de pesquisa “Aesthesis: Laboratório de Experimentação Estética e Direção de Arte”.



SUMÁRIO


PREFÁCIO ... 7

INTRODUÇÃO ... 11

PARTE I. OS FILMES EM P&B

CAPÍTULO 1. PAISAGENS REALISTAS ... 27
O mundo à distância ... 32
Confronto romântico ... 38
Paisagens em movimento ... 41

CAPÍTULO 2. OS ANDARILHOS MODERNOS ... 43
O viajante ... 43
O andarilho ... 49
O flâneur ... 51
O olhar do estrangeiro ... 56
O olhar infantil ... 59

CAPÍTULO 3. A PAISAGEM DOS CINEMAS NOVOS ... 65
O cineasta da solidão ... 70
Paisagens da alma ... 74
As imagens da Nouvelle Vague ... 79
Janelas anti-ilusionistas ... 84

PARTE II. OS FILMES COLORIDOS

CAPÍTULO 4. PAISAGENS ENTRE HISTÓRIAS ... 89
Em busca de aproximação ... 95
Viagens ao passado ... 101
A vida em movimento ... 103

CAPÍTULO 5. AS PERSONAGENS E A PAISAGEM ... 107
O andarilho sem memória ... 107
O estrangeiro ... 110
O sentido das cores ... 113

CAPÍTULO 6. AS REFERÊNCIAS AO CINEMA AMERICANO ... 119
O realismo hollywoodiano ... 119
As paisagens dos faroestes ... 124
Janelas para o mundo ... 126

PARTE III. OS FILMES MISTOS

CAPÍTULO 7. EM BUSCA DA SÍNTESE ... 133
Todas as cores ... 133
A criação da história ... 138
Documentário e fábula ... 142
As fronteiras ... 145

CAPÍTULO 8. CONDIÇÃO DE ANJOS ... 153
Nostalgia da infância ... 156

CONCLUSÃO ... 163

REFERÊNCIAS ... 167
    Filmografia de Wim Wenders ... 173