Apontamentos em memória social Arquitetura e teatro. O edifício teatral de Andrea Palladio a Christian de Portzamparc
Evelyn Furquim Werneck Lima | Ricardo José Brügger Cardoso
184 p. | 14 x 21 cm | 1ª edição | 2011 | 978-85-7740-105-5


ESGOTADO


Arquitetura e teatro. O edifício teatral de Andrea Palladio a Christian de Portzamparc, dos professores Evelyn Furquim Werneck Lima e Ricardo José Brügger Cardoso, chega ao público com o rigor textual e científico e o esmero analítico típicos de dois reconhecidos especialistas na temática do espaço teatral. Expoentes dos estudos nos campos de teatro, arquitetura e urbanismo no Brasil, Evelyn e Ricardo apresentam, neste livro, um robusto trabalho de pesquisa crítica dos diferentes tipos de configuração espacial do teatro ao longo da história, e sua relação com a cidade e a sociedade. Fruto de extensa e aprofundada coleta e exame de material teórico, iconográfico e histórico, este volume configura-se como uma valiosa adição à área de estudos caracterizada pela imbricação entre arquitetura, teatro e urbanismo. Ao percorrer variados períodos históricos, Arquitetura e teatro introduz o leitor em um passeio pela trajetória dos teatros europeus e brasileiros ao longo dos séculos, bem como seu papel estético, urbano e social. Cobrindo o intervalo entre Maneirismo e Pós-Modernismo, a cada capítulo o livro presenteia o público com múltiplas, ricas – e, por vezes, surpreendentes – informações, num texto preciso e agradável, fundamentado teoricamente de maneira exemplar, mas distante do tom um tanto inacessível que costuma marcar algumas produções acadêmicas. Com olhar apurado e perspicaz, Evelyn e Ricardo constroem uma obra cuja leitura, envolvente e instigante, é um alento para estudiosos, críticos e amantes do teatro e da arquitetura.



       SUMÁRIO



       Prefácio

       Apresentação

       Introdução


   I. Teorias sobre o edifício teatral: alguns tratadistas do Maneirismo ao Barroco

       Da praça pública ao teatro de Palladio
       Teorias arquiteturais que criaram regras
       Serlio ilustra os tratados sem iconografia e recria a cenografia
       Andrea Palladio: da capacidade perceptiva de um antigo artesão
       Scamozzi e o modelo do Teatro de Sabbioneta
       Bernini e a proposta alternativa para a cena barroca

  II. Dos teatros da corte francesa aos teatros de feira

       O teatro clássico na França como herança italiana: o Palais-Royal e a Salle des Machines
       A ópera Les Fossés Saint-Germain: a antiga Comédie-Française
       Um genius loci em Paris: teatros públicos no Boulevard du Temple
       Aspectos metodológicos de Blondel a Quatremère de Quincy

III. Dos pátios de comédia portugueses às casas de ópera e teatros reais no Brasil

       Dos tablados efêmeros e do teatro de bonecos às casas de ópera
       Possíveis precursores das casas de ópera no Brasil: os primeiros teatros à italiana
       Uma das casas de ópera da Colônia: a Casa de Ópera de Vila Rica
       Do Teatro Nacional de São Carlos em Lisboa ao Real Theatro São João no Rio de Janeiro

  IV. Teatros neoclássicos: a ordem italiana e as trocas de sociabilidade

        Com o império, o teatro, a aristocracia e a ascensão da burguesia
        O Theatro São Pedro: a ascensão da burguesia sulina
        O Theatro da Paz: um peristilo grego

   V. Teorias de Charles Garnier para a Ópera de Paris: o teatro-monumento

        Teorias de Viollet-le-Duc e de Charles Garnier: duas visões antagônicas
        O teatro como espelho da sociedade burguesa
        Da Ópera Garnier ao Theatro Municipal do Rio de Janeiro
        O Theatro Municipal do Rio de Janeiro: valores simbólicos7
        Ainda sob a égide do Ecletismo: o Theatro José de Alencar em Fortaleza

   VI. Novos paradigmas do teatro europeu no século xx

         De Appia e Craig a Moholy-Nagy: por uma cena moderna
         Mudanças na cena e no edifício teatral: Copeau, Reinhardt, Perret, Walter Gropius e a Bauhaus
         De Auguste Perret a Alessandro Baldassini: o Teatro João Caetano no Rio de Janeiro

 VII. Cubo, esfera ou teatro ao ar livre?

         Fugindo do modelo à italiana
         Teatros recentes vindos da prancheta de Niemeyer

VIII. O espaço explodido de Portzamparc e o eterno retorno ao palco italiano

         Architectures, philosophies en oeuvre: a Cidade da Música no Rio de Janeiro
         A Cidade da Música de Portzamparc

          Conclusões

          Quadro sinóptico dos teatros por tipo

          Bibliografia